As células tronco mesenquimais são aquelas que possuem a capacidade de se diferenciar em outras células do nosso corpo como, por exemplo, nas células do músculo, do osso, da gordura, dos vasos sanguíneos e da cartilagem. Ou seja, as células tronco têm o potencial de se “transformar” em outro tipo de célula mais “madura” que se multiplicará e terá a função do tecido ou órgão correspondente.

As células tronco mesenquimais são encontradas no sangue e em diversos tecidos do nosso corpo como a medula óssea, a gordura, o músculo, a membrana sinovial e o cordão umbilical. Nestes locais, elas podem ser obtidas para uso na reparação e no tratamento de várias doenças.

No joelho, as células tronco mesenquimais têm sido usadas, principalmente, nas pesquisas para o tratamento das lesões da cartilagem do joelho, pois, a cartilagem é um tecido avascular e que possui pouca capacidade de regeneração. Com isso, o objetivo do uso das células tronco mesequimais é a regeneração da cartilagem do joelho para não só aliviar a dor do paciente, mas também, para impedir a progressão da lesão da cartilagem que resultará na artrose do joelho.

Contudo, conforme a legislação vigente atualmente no Brasil sobre as células tronco mesenquimais, só é permitido seu uso no tratamento de doenças hematopoiéticas como nos casos dos transplantes da medula óssea.

Entretanto, o estudo e a pesquisa com células tronco mesenquimais nas lesões da cartilagem do joelho é permitido em Centros de Tecnologia Celular (CTC) reconhecidos e certificados pela ANVISA segundo os critérios da RDC 09/2011. E o CTC da PUCPR é um dos únicos do Brasil a ter a aprovação para a obtenção, o cultivo e a pesquisa das células tronco mesenquimais tanto em animais quanto em humanos, após a devida aprovação pelos respectivos comitês de ética em pesquisa.

Em resumo, as células tronco mesenquimais tem um grande potencial para serem usadas no tratamento das mais diversas lesões e doenças do nosso corpo, inclusive as do joelho. As pesquisas atuais tem demonstrado resultados animadores no tratamento das lesões da cartilagem do joelho para que, no futuro, os tratamentos com células tronco mesenquimais possam trazer benefícios a muitos pacientes.