ligamento cruzado posteriorO ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos principais ligamentos do joelho e é responsável pela estabilidade posterior do joelho, evitando que o joelho vá para trás.

O LCP é um ligamento bastante resistente que se localiza no meio do joelho, se origina na parte anterior do côndilo medial do fêmur e se insere na parte de trás da tíbia, “cruzando” no centro do joelho com o ligamento cruzado anterior (LCA).

Ele é subdividido em 2 grupos de fibras ou “bandas” chamadas de anterolateral e posteromedial, sendo que cada uma tem sua função na estabilidade do joelho.

Lesão do ligamento cruzado posterior

A lesão ou ruptura do ligamento cruzado posterior (LCP) geralmente ocorre com um trauma na região da frente da perna com o joelho em flexão de 90 graus. Isso faz com que a tíbia (osso da perna) vá para trás do joelho, rompendo o LCP. Também pode ocorrer rupturas quando há uma hiperextensão do joelho como num chute no ar ao errar a bola no futebol. As lesões do LCP são mais frequentes em acidentes de carro e de moto, lutas e quedas com o joelho em flexão.

O diagnóstico da lesão do LCP na fase aguda pode ser difícil, pois o joelho fica inchado e dolorido. Com o passar do tempo, o paciente pode sentir dor aos esforços e insegurança no joelho, devendo procurar o ortopedista especialista em joelho para uma melhor avaliação do seu joelho.

O diagnóstico é feito após a história do mecanismo do trauma e por um bom exame físico. Os exames complementares como o RX e a ressonância nuclear magnética (RNM) auxiliam o ortopedista especialista em joelho a definir a lesão do LCP.

Quanto ao tratamento, a maioria das lesões do LCP ocorre de forma isolada e seu tratamento inicial é sem cirurgia. O paciente deve realizar fisioterapia para exercícios de fortalecimento muscular com ênfase no músculo quadríceps.

A cirurgia do joelho para reconstrução do ligamento cruzado posterior é indicada quando:

- O paciente não apresenta sucesso com o fortalecimento muscular;

- Há grande instabilidade do joelho;

- Há lesão de outros ligamentos do joelho.

ligamento cruzado posterior 2

A cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado posterior baseia-se na substituição do ligamento rompido por um fragmento (enxerto) de tendão do próprio joelho. Os tendões mais utilizados são os tendões do semitendinoso e grácil que fazem parte da pata-de-ganso (tendões flexores do joelho), o terço central do tendão patelar e o tendão do quadríceps.

Após a retirada do fragmento de tendão, é realizada a cirurgia de artroscopia (por vídeo) onde o cirurgião realiza mini-incisões (ou “furinhos”) na frente do joelho e coloca uma óptica que fornece imagens por uma microcâmera conectada a um aparelho de televisão. Esta técnica de artroscopia propicia grande precisão com pouca “agressão” cirúrgica, permitindo ao paciente uma recuperação mais rápida e menos dolorosa.

Ao visualizar toda a articulação do joelho pela televisão, o cirurgião confecciona túneis ósseos precisos nas inserções do LCP por onde são passados os fragmentos de tendão. Após a colocação do novo ligamento cruzado posterior, ele é fixado junto ao osso com uso de pequenos parafusos ou pinos.

Atualmente, há vários tipos de técnicas na cirurgia de reconstrução do LCP, sendo que a mais atual é a técnica de reconstrução anatômica do LCP.

A cirurgia do joelho para LCP pode ser realizada por meio da reconstrução de uma só banda em lesões parciais e por reconstrução de dupla banda ou banda única em lesões completas do LCP. A fixação do novo LCP é realizado com a utilização de parafusos ou pinos absorvíveis na fixação do fragmento (enxerto) de tendão. O tipo de técnica a ser realizada deve ser definida individualmente para cada paciente pelo ortopedista especialista em joelho.

Além da reconstrução do LCP, a técnica de artroscopia auxilia no diagnóstico e no tratamento das lesões associadas como as rupturas de menisco e lesão de cartilagem.

Após a cirurgia, o paciente recebe alta do hospital no dia seguinte quando já inicia a reabilitação com fisioterapia e a andar com muletas. Normalmente, não há a necessidade de usar joelheiras e imobilizadores.

O retorno às atividades diárias acontece em poucos dias e dirigir veículos é permitido entre 14 a 30 dias conforme a recuperação de cada paciente.

A fisioterapia deve ser realizada por 3 a 6 meses e é seguida de fortalecimento muscular.

O retorno aos esportes é uma das situações mais debatidas entre os ortopedistas especialistas em joelho e medicina esportiva. Geralmente, o atleta é orientado para o retorno gradual ao esporte quando há um bom condicionamento muscular e um bom equilíbrio do joelho, o que ocorre entre 6 a 9 meses, dependendo de cada paciente.

O ortopedista especialista em joelho deve orientar seu paciente sobre a lesão do LCP e indicar a melhor técnica de cirurgia do joelho para a reconstrução ligamentar.