Cartilagem do joelho na artroscopia e no modelo. 

Artroscopia do joelho com lesão da cartilagem. 

A cartilagem do joelho é o tecido que “recobre” a articulação e tem a função de permitir o deslizamento suave entre os ossos do joelho.

A cartilagem do joelho é especializada em sustentar o peso do corpo, evitando o atrito e o desgaste do joelho.

A cartilagem do joelho é chamada de cartilagem hialina e é composta basicamente por células chamadas condrócitos, água, proteoglicanos (um tipo de proteína) e colágeno tipo 2.

A nutrição da cartilagem do joelho é essencialmente feita pelo líquido sinovial da própria articulação que lubrifica o joelho como um todo. Como a cartilagem não recebe vascularização (“nutrição”) pelo sangue como a maioria dos tecidos do corpo, a cicatrização e a regeneração são difíceis de ocorrer nas lesões de cartilagem do joelho.

A lesão da cartilagem do joelho pode ocorrer devido a traumas e torções no joelho, pelo uso excessivo do joelho nos esportes de impacto, por desvios do eixo do joelho e pelo desgaste natural com o envelhecimento da pessoa.

Os sintomas mais comuns da lesão da cartilagem do joelho são a dor no joelho, o inchaço e crepitação (estalos ou ruídos ou barulhos) no joelho, podendo também acontecer o chamado bloqueio articular quando um fragmento de cartilagem se desloca e fica preso no meio do joelho.

O diagnóstico da lesão de cartilagem deve ser feito pelo exame clínico realizado pelo ortopedista especialista em joelho e por exames complementares como o RX do joelho e a Ressonância Nuclear Magnética. Eventualmente, uma cirurgia de artroscopia do joelho pode ser necessária para o diagnóstico preciso.
A lesão da cartilagem do joelho pode ocorrer devido a traumas e torções no joelho e também pelo uso excessivo nos esportes de impacto.

Os sintomas mais comuns da lesão da cartilagem do joelho são a dor no joelho, o inchaço e crepitação (estalos ou ruídos) no joelho, podendo também acontecer o chamado bloqueio articular quando um fragmento de cartilagem se desloca e fica preso no meio do joelho.

O diagnóstico da lesão de cartilagem deve ser feito pelo exame clínico realizado pelo ortopedista especialista em joelho e por exames complementares como o RX do joelho e a Ressonância Nuclear Magnética. Eventualmente, uma cirurgia de artroscopia do joelho pode ser necessária para o diagnóstico preciso.

Tratamento

O tratamento da lesão da cartilagem do joelho pode ser conservador (sem cirurgia) ou com cirurgia de artroscopia do joelho conforme o tipo, o tamanho e a localização da lesão dentro do joelho.

A definição do melhor tipo de tratamento é feita de modo individual pois deve levar em consideração o tamanho e o local da lesão no joelho, a idade do paciente, o tipo de trabalho e o esporte que pratica.

O tratamento não-cirúrgico (conservador) é indicado para lesão da cartilagem do joelho em fase inicial. Os pacientes devem emagrecer, diminuir ou evitar atividades de impacto e realizar exercícios de fortalecimento muscular. O uso de analgésicos e de anti-inflamatórios pode auxiliar no alívio da dor por um breve período. A fisioterapia específica deve ser iniciada para auxiliar no alívio da dor e nos exercícios de alongamento e fortalecimento muscular.

Como outras armas no alívio dos sintomas da lesão da cartilagem do joelho, há diversos medicamentos chamados “condroprotetores” que auxiliam na proteção da cartilagem e geralmente são de uso oral (comprimidos). Atualmente, há vários tipos de condroprotetores como o colágeno tipo 2, a glicosamina associada à condroitina, a diacereína, entre outros. Porém, o uso desses medicamentos não substitui nenhuma das recomendações anteriores nem regenera a cartilagem lesionada ou desgastada.

Além desses medicamentos orais, há medicamentos que podem sem injetados dentro do joelho, a chamada “infiltração”. Dentre eles, a VISCOSUPLEMENTAÇÃO ARTICULAR utiliza os derivados do ÁCIDO HIALURÔNICO, que é o componente principal do líquido sinovial e auxilia na lubrificação da articulação, diminuindo o atrito articular e diminuem a dor do paciente. Alguns estudos mostram que esta forma de tratamento pode até desalecerar a velocidade do desgaste da cartilagem do joelho.

A infiltração com corticóide (cortisona) também pode ser realizada no joelho com lesão da cartilagem com o objetivo de diminuir a inflamação e a dor causada pela sinovite.

Já a cirurgia de artroscopia do joelho pode ser indicada quando a lesão da cartilagem for grande e houver corpo livre intra-articular ou quando não há melhora dos sintomas com o tratamento não-cirúrgico.

Há diversas técnicas para cirurgia de cartilagem do joelho. Alguns pacientes jovens com lesões difusas podem ser tratados com uma simples limpeza e lavagem articular por artroscopia do joelho.

As lesões pequenas e isoladas da cartilagem do joelho podem ser tratadas pela técnica de “microfraturas”. Na cirurgia de artroscopia, são realizadas pequenas perfurações no osso logo abaixo da cartilagem com o objetivo de que células sanguíneas estimulem a formação de um tecido de fibrocartilagem que recobrirá a lesão da cartilagem. Porém, a durabilidade deste procedimento não é tão longa, apenas ao redor de dois anos.

Lesões maiores da cartilagem do joelho podem ser tratadas pela técnica de transplante autólogo osteocondral ou MOSAICOPLASTIA onde se retira um ou mais cilindros de osso com cartilagem do próprio joelho e que são transplantados para o local onde está a lesão da cartilagem.

Nas lesões maiores, atualmente existem outras técnicas modernas disponíveis, como a colocação de uma MEMBRANA DE COLÁGENO associada a microfraturas. Com a vantagem de ser um método pouco agressivo e mais biológico, favorece a regeneração da cartilagem. Este método tem demonstrado excelentes resultados a longo prazo e durabilidade de mais de 10 anos.

Mais recentemente, o uso das células tronco mesenquimais como uma alternativa no tratamento das lesões da cartilagem do joelho tem se tornado uma realidade. Atualmente, as células tronco só podem ser utilizadas em pesquisas cadastradas e realizadas em centros especializados de terapia celular credenciados pela ANVISA. Ou seja, ainda não é permitido o uso de células tronco de forma comercial no tratamento dos pacientes com lesão da cartilagem do joelho pela legislação vigente. Contudo, devido aos resultados promissores, em breve esta técnica estará disponível para mais pacientes.

A indicação da melhor forma de tratamento da lesão da cartilagem do joelho é feita pelo ortopedista especialista em joelho que deve orientar o paciente e explicar os diversos tipos de tratamento com seus respectivos benefícios e resultados a curto e longo prazo. Assim, os pacientes terão melhores resultados com um tratamento individualizado.

Membrana de colágeno para tratamento de lesão da cartilagem do joelho. 

Inicialmente, o tratamento não-cirúrgico (conservador) é indicado na maioria das vezes. Pacientes com lesão da cartilagem do joelho em fase inicial devem emagrecer, diminuir ou evitar atividades de impacto e realizar exercícios de fortalecimento muscular. O uso de analgésicos e de anti-inflamatórios pode auxiliar no alívio da dor por um breve período. A fisioterapia específica deve ser iniciada para auxiliar no alívio da dor e nos exercícios de alongamento e fortalecimento muscular.

Como outras armas no alívio dos sintomas da lesão da cartilagem do joelho, há diversos medicamentos chamados “condroprotetores” que auxiliam na proteção da cartilagem e geralmente são de uso oral (comprimidos). Porém, o uso desses medicamentos não substitui nenhuma das recomendações anteriores.

Além desses medicamentos orais, há medicamentos que podem sem injetados dentro do joelho, a chamada “infiltração”. Dentre eles, a VISCOSUPLEMENTAÇÃO ARTICULAR utiliza os derivados do ácido hialurônico, que é o componente principal do líquido sinovial e auxilia na lubrificação da articulação, diminuindo o atrito articular e diminuem a dor do paciente. Alguns estudos mostram que esta forma de tratamento pode até desalecerar a velocidade do desgaste.

A infiltração com corticóide (cortisona) também pode ser realizada no joelho com lesão da cartilagem com o objetivo de diminuir a inflamação e a dor causada pela doença.
Já a cirurgia de artroscopia do joelho pode ser indicada quando a lesão da cartilagem for grande e houver corpo livre intra-articular ou quando não há melhora dos sintomas com o tratamento não-cirúrgico.

Há diversas técnicas para cirurgia de cartilagem do joelho. Alguns pacientes jovens com lesões difusas podem ser tratados com uma simples limpeza articular por artroscopia do joelho.

Outros pacientes com lesões isoladas da cartilagem do joelho podem ser tratados pela técnica de “microfraturas” associada a colocação de uma membrana de colágeno. A combinação destas técnicas estimulam a formação de uma fibrocartilagem mais duradoura. 

Há ainda pacientes que podem ser tratados pela técnica de transplante autólogo osteocondral onde se retira um cilindro de osso com cartilagem do próprio joelho e este cilindro é transplantado para o local da lesão da cartilagem.

Mais recentemente, há alguns estudos que usam as células tronco como uma alternativa no tratamento das lesões da cartilagem do joelho. Porém, atualmente, as células tronco só podem ser usadas em pesquisas cadastradas e realizadas em centros especializados de terapia celular credenciados pela ANVISA. Ou seja, ainda não é permitido o uso de células tronco de forma comercial no tratamento dos pacientes com lesão da cartilagem do joelho.

A indicação da melhor forma de tratamento da lesão da cartilagem do joelho é feita pelo ortopedista especialista em joelho que deve orientar o paciente e explicar os diversos tipos de tratamento com seus respectivos benefícios e resultados a curto e longo prazo. Assim, os pacientes terão melhores resultados com um tratamento individualizado.